Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Dois deputados federais e cinco estaduais maranhenses estão livres para trocar de partido

18 de novembro de 2022 : 05:51

Apenas 13 partidos e federações conseguiram atingir a cláusula barreira partidária, o que afeta diretamente a composição do Congresso Nacional em 2023 e o cenário político no país e nos estados. Na eleição de 2022, seis partidos não alcançaram a meta de eleger 11 federais ou atingir ao menos 2% dos votos válidos, com um mínimo de 1% em nove estados, portanto no Maranhão, dois deputados federais e cinco deputados estaduais eleitos estão livres para trocar de agremiação partidária.

Se um partido não atinge a cláusula de barreira, fica sem fundo partidário e sem horário político no rádio e na TV, além de que os seus filiados ficam livres para deixar o partido sem risco de ser enquadrados na infidelidade partidária.

Diante desse cenário, os deputados federais Aluísio Mendes (PSC) e Marreca Filho (Patriota), já estão livre para procurar outro partido, mas também podem ficar, caso tenham esse desejo. Entre os estaduais, os que estão livres são: Fernando Braide e Wellington do Curso do PSC e Juscelino Marreca, Edna Santos e Guilherme Paz do Patriota.

O único que já manifestou clara a sua intenção de sair do partido atual foi Aluísio Mendes, que já recebeu proposta de assumir o comando de três siglas no estado, dentre elas, o PSD, que atualmente é comandado pelo deputado federal Edilázio Júnior, mas que não se reelegeu.

Na Câmara de São Luís, muitos são os vereadores ficam livres para migrações partidárias: Dr Gutemberg do PSC; Álvaro Pires e Marcos Castro do PMN; Antônio Garcez do PTC; Silvana Noely do PTB e Zeca Medeiros do Patriota. Além dos demais que já deixaram a sigla por qual foram eleitos em 2020, caso de Marquinhos que era do DEM e está no PSC; Umbelino Júnior que foi eleito pelo PRTB e está no PL; Thyago Freitas eleito pelo DC e já está no PL; além de Chico Carvalho e Édson Gaguinho que ganharam o benefício de trocar de partido após a fusão do PSL e DEM, que criou o União Brasil.

Os partidos que superaram a cláusula de barreira foram:

PL

Federação PT/PCdoB/PV

União Brasil

PP

PSD

Republicanos

MDB

PDT

PSB

Federação PSDB/Cidadania

Podemos

Federação PSOL/Rede

Avante

Partidos que não superaram a cláusula de barreira

PSC

PATRIOTA

Solidariedade

PROS

Novo

PTB

AGIR

DEMOCRACIA CRISTÃ

PCB

PCO

PMN

PMB

PRTB

PSTU

UP

Os partidos que não atingiram a cláusula de barreira podem discutir fusão ou incorporação para evitar de ficar sem fundo partidária e tempo de propaganda política. É o caso do Solidariedade que deve incorporar o PROS. O PSC discute uma fusão ou incorporação com o Podemos, mas uma fusão entre PSC, Patriota e PTB também não é descartada.

Alguns partidos já fizeram isso para garantir a sobrevivência. É o caso do PCdoB que incorporou o PPL, o PHS foi incorporado pelo Podemos e o PRP foi incorporado pelo Patriota.

Um comentário em “Dois deputados federais e cinco estaduais maranhenses estão livres para trocar de partido”

  1. Martha Aulete Hirsch

    3 semanas atrás  

    Toda vez que você faz uma escolha, está transformando a parte central de você, a parte de você que escolhe, em algo um pouco diferente do que era antes. E tomando sua vida como um todo, com todas as suas inúmeras escolhas, durante toda a sua vida você está lentamente transformando essa coisa central em uma criatura celestial ou uma criatura infernal: ou em uma criatura que está em harmonia com Deus, e com outras criaturas, e consigo mesmo, ou então em um que está em estado de guerra e ódio com Deus, e com seus semelhantes, e consigo mesmo. Ser um tipo de criatura é o céu: isto é, é alegria e paz e conhecimento e poder. Ser o outro significa loucura (PeTismo), horror (PT), idiotice (Partido dos Trabalhadores), raiva, impotência e solidão eterna. Cada um de nós, a cada momento, está progredindo para um estado do outro.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>