Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Pesquisa aponta que site de notícias é a principal fonte de informação de brasileiros

9 de junho de 2022 : 16:53

Sites de notícias (31%) e telejornais (30%) são as fontes de informação dos brasileiros quando o assunto é política – é o que aponta a pesquisa realizada pela Alfa Inteligência em maio deste ano, com mais de 2 mil pessoas acima de 16 anos, em todas as regiões do Brasil.

Seguindo a preferência nacional, em terceiro lugar estão as redes sociais, com 19%; revistas e jornais impressos (8%) ocupam a quarta posição e o rádio aparece em quinto lugar, com 3%.

No geral, as mídias preferidas entre os sites são UOL (21%), G1 (16%) e empatados O Globo e Folha de São Paulo (12%). Em relação aos telejornais, o Jornal Nacional lidera com 36%, muito à frente da Globo News (25%). Nos materiais impressos, o jornal Folha de São Paulo se destaca, com quase metade dos entrevistados (45%), e a estação Jovem Pan domina a preferência, com 53%. Em se tratando das redes sociais, o Instagram tem 49% de penetração, seguido do Facebook (39%).

Explorando os dados por região brasileira, os números se assemelham, mas as regiões Norte e Nordeste apresentam uma ligeira preferência por telejornais, 38% e 32%, respectivamente. As redes sociais ganham mais espaço entre as pessoas da região Centro-Oeste (31%), frente às demais regiões, cuja penetração fica entre 15% no Norte e 20% no Nordeste.

Em relação à segmentação por gênero, o público feminino prefere mais os telejornais (33%) às redes sociais (15%), ao passo que 27% dos homens declararam preferir os telejornais e 23% as redes sociais.

Sob o ponto de vista geracional, os chamados Baby Boomers – nascidos entre 1945 e 1964 – e a geração X, que compreende o período de 1965 a 1984, apresentam mais preferência por telejornais (36% e 34%), enquanto o favoritismo por sites de notícias salta para 42% na geração Y, pessoas que nasceram entre 1985 e 1999.

Em relação ao grau de escolaridade, sites de notícias são os favoritos da população que tem ensino superior (38%), e os telejornais têm a preferência (33%) dos que estudaram até o ensino fundamental.

“Com a pesquisa notamos que, mesmo num cenário onde as redes sociais têm força, os portais tradicionais de notícias ainda têm muita penetração”, afirma Emanoelton Borges, CEO da Alfa Inteligência.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>