Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Médico afirma que Butantan mentiu sobre eficácia da Coronavac e pede revacinação

8 de junho de 2021 : 12:18

O médico Yglesio Moyses* trouxe dados alarmantes sobre a vacina Coronavac na manhã desta terça-feira (8). Em entrevista ao programa Ponto Final da Mirante AM, o parlamentar defendeu uma revacinação e afirmou que o Instituto Butantan mentiu sobre a eficácia da vacina. No dia 27 de maio este blog trouxe uma matéria sobre os questionamentos apresentados sobre a eficácia da Coronavac.

“Nos últimos dias a gente chegou a dados meio alarmantes mostrando que a CoronaVac, por exemplo, em pacientes acima de 70 anos, ela tem uma eficácia extremamente reduzida. Nos pacientes acima de 80 anos, ela praticamente não tem eficácia”, disse Yglésio.

O parlamentar diz que o Instituo Butantan mentiu ao afirmar que a vacina protege 100% contra óbito por covid-19. “Nós precisamos falar imediatamente em revacinação nesses pacientes. São cada vez mais crescentes os casos de pacientes, principalmente os mais idosos que tomaram duas doses e morreram de Covid. Portanto, um dado completamente diferente daquele que o Instituto Butantan disse, que a CoronaVac tinha uma proteção de 100% contra óbito, isso é uma falácia, uma grande mentira”, destacou o deputado.

Yglésio ressalta que em pacientes jovens a vacina é eficaz, mas os resultados no público idoso não são bons. “Ela é uma vacina que funciona em pacientes mais jovens sim, tem uma eficácia de 50 a 60 %, mas no idoso o resultado é muito ruim”, afirmou Yglésio Moyses.

Vacina Sputnik

O deputado também falou sobre a vacina russa, Sputnik V. Ele diz que não recomendaria a aplicação do imunizante para a população.

“Eu acho que é um imunizante que a gente não deve ofertar para a população. A Rússia, apenas 6% da população aceitou ser vacinado com a vacina de lá, com a Sputnik V. Dizem assim: – a vacina está aprovada em 66 países. Nós estamos falando do Butão, da Argélia, nós estamos falando da Argentina que tá em franco colapso com a covid-19. A Argentina só vacinou 6% da população”, disse o parlamentar.

Yglésio relata que o próprio instituto Gamaleya está tendo dificuldades para produzir as doses do imunizantes. “Estamos falando em uma vacina que o presidente Russo, Putin, disse que ia fornecer 700 milhões de doses para o mundo. Quantas foram vendidas até o momento? 15 milhões apenas. Que não é nada. Os próprios institutos russos estão tendo dificuldades de fazer a segunda dose. Eles conseguem produzir a primeira, mas não conseguem produzir a segunda porque é um adenovírus diferente. Então, não tem controle de qualidade da produção. Terceiro ponto Não permitiram o acesso aos estudos clínicos e a visita aos laboratórios do Instituto não permitiram o acesso aos estudos clínicos e a visita aos laboratórios do Instituto Gamaleya”, acrescentou.

O parlamentar diz que é estranho o posicionamento do instituo que produz a vacina, de proibir as agências reguladoras dos países que estão interessados em comprar o imunizante, de vistoriar o processo de fabricação da vacina.

“Você está em um restaurante. Você está com uma desconfiança com a qualidade da comida. Você pede para conhecer a cozinha. A maioria dos restaurantes vai permitir o acesso. Um instituto que produz vacina, imunizante, um produto que se espera que salve vidas. Você proíbe a agência do país que pode comprar 40 milhões de doses do imunizante de vistoriar, você proíbe. É como você esconder alguma coisa”, relatou Yglésio.

*Yglesio Moyses é médico do Hospital Universitário da UFMA, doutor em Fisiopatologia Experimental. Especialista em cirurgia geral.

As informações são do Blog do Jorge Aragão

Um comentário em “Médico afirma que Butantan mentiu sobre eficácia da Coronavac e pede revacinação”

  1. Helena

    2 meses atrás  

    Dr. Yglésio sempre sensaciolista e paladino da verdade e da moral.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>