Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

“Pode ser que dia 1º de maio a gente pare a cidade”, diz sindicato do transporte público de São Luís

28 de abril de 2014 : 09:00

Imirante

A capital maranhense pode ter a primeira greve geral de ônibus de 2014 até o fim desta semana. De acordo com o presidente do sindicato dos trabalhadores em transporte rodoviário do Maranhão, Gilson Coimbra, a negociação com o sindicato patronal não teve ainda um desfecho minimamente favorável aos trabalhadores e, por isso, já é cogitada uma paralisação geral da categoria dia 1º de maio (quinta-feira), no feriado de dia do trabalho.

A decisão pela greve depende somente de uma reunião no Ministério Público do Trabalho (MPT) que ocorre na tarde desta segunda-feira (28). O MPT convocou a reunião na sexta-feira (25) para mediar mais uma rodada de negociações entre os dois sindicatos para evitar a paralisação. Rodoviários pedem um reajuste de 16%, a inclusão de um dependente no plano de saúde, aumento no tíquete-alimentação de R$ 365,00 para R$ 500,00 e redução na jornada de trabalho de 7h20 para 6h diárias. Os empresários alegam que não podem atender a nenhuma das reivindicações.

Caso o MPT obrigue o Sindicatos das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET) a dar o reajuste exigido pelos rodoviários, os salários de motoristas passariam de R$1.298 para R$ 1.504 e dos cobradores aumentaria de R$ 759 para R$ 880.

Em nota enviada a imprensa no início do mês, o SET alegou total impossibilidade de atender aos pedidos dos trabalhadores. O sindicato classifica o sistema como “falido”.


NOTA DO SET

O Presidente do SET -Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos de São Luís, José Luís Medeiros, anunciou a total impossibilidade de continuar as negociações com a categoria dos rodoviários, uma vez que todas as reivindicações da categoria trazem impactos econômicos para um sistema já falido.

Segundo anunciou o presidente do SET na última reunião com os Rodoviários na tarde da terça-feira (08.04), é essencial e urgente que a Prefeitura intervenha nesse impasse e sinalize medidas emergenciais para evitar o caos ainda maior, no atual sistema de transportes coletivos da capital maranhense.

Uma recente Auditoria da Prefeitura fiscalizou o sistema de transportes e as empresas que atuam no mesmo, chegando a números alarmantes e que demonstram oficialmente o déficit acumulado há mais de seis anos e que inviabiliza a continuidade da operação do transporte nas condições atuais da séria crise do setor.

“Lamentamos chegar a esse impasse. Já informamos oficialmente às autoridades, e agora em respeito aos rodoviários e à população, conclamamos a Prefeitura a participar desse debate, sinalizando medidas que possam reverter o agravamento dessa crise. Os empresários estão de mãos atadas e sem condições de avançar nesta negociação ” declarou o Presidente do SET.

Um comentário em ““Pode ser que dia 1º de maio a gente pare a cidade”, diz sindicato do transporte público de São Luís”

  1. Anonymous

    9 anos atrás  

    Lá vai mais uma vez a ganância dos empresários de transporte público pejudicar a cidade inteira…o que custa atender a reivindicação dos trabalhadores? alegar que não tem dinheiro vai ser mais uma vez a desculpa e ja sabemos quem vai pagar o pato…

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>