Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Quase metade dos deputados estaduais deve trocar de partidos visando a eleição de 2022

23 de setembro de 2021 : 11:16

Um levantamento feito pelo Blog Diego Emir traz um número relevante de trocas partidárias que podem ocorrer entre os deputados estaduais do Maranhão até abril de 2022, prazo final de filiação para a disputa eleitoral. A decisão do Senado Federal em manter extinta as coligações pode ampliar essas mudanças. Alguns parlamentares já trocaram de partido, outros já deixaram clara a sua intenção e outros aguardam os movimentos futuros.

O único que tem uma definição certa é César Pires que está no PV, mas já fala como parlamentar do PSD, porém vai esperar a janela partidária de março de 2022 para fazer a troca. Outros dois já sinalizaram seus prováveis destinos, caso de Yglesio que indicou uma filiação ao PSDB e Othelino Neto que abriu possibilidade para se filiar ao PDT ou PSB.

Muitos deputados aguardam um posicionamento do governador Flávio Dino sobre a disputa majoritária em 2022 para tomar uma decisão, afinal, se o nome de Carlos Brandão for confirmado, muitos devem acompanha-lo.

Ariston (Republicanos), Daniella Tema (DEM), Paulo Neto (DEM), Rafael (PDT), Socorro Waquim, Édson Araújo (PSB) e Thaiza Hortegal (PP) são considerados aliados de primeira hora, e aguardam uma definição para trocar de partido. O PSDB poderia ser o maior beneficiado, mas ainda existe uma dúvida quanto essa filiação no ninho tucano.

O único filiado no PSDB atualmente, Wellington do Curso também vive uma verdadeira indefinição, não sabe o que fazer no atual momento, mas também aguarda o desenrolar das disputas internas que envolvem João Dória e Eduardo Leite.

Além dos citados, toda a bancada do Solidariedade pode deixar o partido – Rildo Amaral, Helena Duailibe e Fábio Braga – são cortejados por outros partidos. Assim como o único representante do PMN, Wendel Lages, pode trocar por uma legenda da base governista.

Arnaldo Melo (MDB), Betel Gomes (PRTB) e Adriano Sarney (PV), também vivem indefinições, o último demonstra interesse em permanecer no partido, mas precisa ter uma boa nominada ou terá remotas chances na disputa do próximo ano.

Por fim ainda existe o caso de Fábio Macedo que está no Republicanos, mas deve disputar vaga de deputado federal, resta saber por qual partido.

Quem já trocou de partido?

Ariston – eleito pelo Avante – está no Republicanos

Duarte Júnior – eleito pelo PCdoB – filiou-se ao Republicanos – agora está no PSB

Fábio Macedo – eleito pelo PDT – está no Republicanos

Marcos Caldas – eleito suplente pelo PTB – filiou-se no PDT

Yglésio Moyses – eleito pelo PDT – filiou-se ao PROS – está sem partido

 

Um comentário em “Quase metade dos deputados estaduais deve trocar de partidos visando a eleição de 2022”

  1. Carlos Alberto

    1 ano atrás  

    Na brincadeira dessa dança das cadeiras, muitos parlamentares não disputam eleição em 2022, muitos disputam conscientes que não se reelegem, uma minoria se reelege… A vez é dos atuais secretários kkkkk

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>