Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Mais de 10 nomes são cotados para disputar a presidência da OAB do Maranhão

A OAB do Maranhão vive uma das suas maiores crises internas. A atual gestão, capitaneada por Thiago Diaz vem sofrendo uma série de defecções por incompatibilidade de pensamentos e até mesmo pela postura do atual presidente de não aceitar a críticas daqueles que rejeitam o instrumento da reeleição. Diante dessas insatisfações, nomes vão deixando a atual gestão, os quais surgem como pré-candidatos a presidência. Além dos ex-aliados, ainda existem aqueles que estão no campo da oposição que já se organizam para a disputa. Mai de dez nomes são cotados para disputar o comando da entidade que representa os advogados maranhenses.

Thiago Diaz é o primeiro nome a ser citado. Afinal no cargo de presidente, ele já revelou no ano passado em entrevista ao jornalista Aquiles Emir da revista Maranhão Hoje, que disputaria a reeleição. Foi a partir desse momento que iniciou a crise interna. Apesar de fragilizado, ele garante ter ainda muitos apoiadores e está confiante que pode vencer novamente a disputa.

No campo da oposição, o grupo mais forte que surge é o Vem Comigo que pode apresentar o nome de Mário Macieira para o pleito. Considerado um dos melhores que já passou pelo comando da OAB/MA, o ex-presidente é quase unanimidade, porém o próprio ainda tem resistência de enfrentar as urnas, pois teria outros projetos, mas tem chances reais de voltar a corrida eleitoral.

Caso Macieira não tope, outro provável candidato é Carlos Brissac, ele se enquadra na categoria que mais cresce dentro da advocacia e garantiu a vitória de Thiago Diaz que é a do jovem advogado. É um dos líderes mais atuantes do grupo Vem Comigo.

Outro nome que surgiu por estímulo de advogados maranhenses foi o de Carlos Sérgio Barros, a informação foi divulgada em primeira mão também pelo jornalista Aquiles Emir. O especialista em direito eleitoral chegou a compor a diretoria da OAB-MA no primeiro mandato de Mário Macieira, mas desistiu de continuar no segundo, alegando excesso de trabalho em seu escritório. Consultado sobre este movimento em torno do seu nome, Barros diz que não está se lançando a nada, tampouco trabalha no sentido de se fortalecer como pré-candidato, porém diz que fica envaidecido pela lembrança e pondera que, se convidado para participar de um projeto que seja viável em termos eleitorais, pode pensar na possibilidade. Ele diz que diversas pré-candidaturas já estão postas, e a elas deve ser dada atenção prioritária.

Candidatos em eleições anteriores, Daniel Blume e Roberto Feitosa estão unidos em um movimento intitulado Repense OAB. Os dois são cotados para a disputa, por isso são pré-candidatos ao cargo, assim como no grupo Vem Comigo, um deve tomar a dianteira e sair para a disputa, o outro pode ficar para eleição de Conselheiro Federal. Vale destacar que a dupla declarou apoio a candidatura de Valéria Lauande no último pleito.

Outro conhecido nome e que também desejou concorrer ao cargo de presidente na última eleição é Mozart Baldez.  Após não obter sucesso nas urnas acabou criando um Sindicato dos Advogados, o SAMA que pode ser até confundido com o Sindicato de Astronomia do Maranhão, mas o advogado garante que o projeto não é lunático e mantém forte atuação em defesa da categoria. Mozart tem se mostrado combativo na relação existente entre o judiciário e os advogados.

No grupo de insatisfeitos à gestão de Thiago Diaz surgem o atual vice-presidente Pedro Alencar e o Conselheiro Federal Charles Dias. O vice foi o primeiro a romper, após o anúncio do presidente de desejo de concorrer a reeleição, ele também denunciou possíveis abusos financeiros na atual gestão, Alencar já vem formando um grupo e pode ser um forte concorrente.

Já Charles que também era pré-candidato em 2015 e acabou optando por formar uma chapa com Thiago, mostrando seu descontentamento com a postura do presidente, afirmou que existe uma “sede pelo poder”. O Conselheiro trabalha por uma indicação no CNJ, mas para alcançá-la precisa ser reeleito esse ano, por isso ele pode se agrupar com Pedro ou outro nome, se não tiver consenso vai para o embate pela presidência.Em contato com o blog, Charles negou o interesse de concorrer ao cargo majoritário.

Na última semana, uma mulher apresentou o nome nessa disputa que é predominantemente composta por homens. Ana Cristina Brandão resolveu atiçar os debates ao anunciar sua pré-candidatura a sucessora de Thiago Diaz na eleição deste ano. A informação mais uma vez foi divulgada com exclusividade pelo jornalista Aquiles Emir.

Apesar de ter militado em várias campanhas na Ordem, ela nunca ocupou nenhum cargo na instituição, o que não a impede de manter um bom trânsito com diretores e conselheiros, por isto acredita que terá facilidade de montar uma chapa competitiva, já que nem passa pela sua cabeça usar esse artifício de pré-candidatura para acordos futuros a fim de obter outro cargo, como tem sido comum na instituição.

Por fim também que está no páreo é Erivelton Lago. O advogado é ex-conselheiro e ex-presidente da Comissão de Prerrogativas. Ainda tímido no debate, ele tem adotado uma postura cautelosa, mas revela uma preocupação com o debate público sobre divergências políticas por um dos grupos da instituição, pois teme que isto possa macular sua imagem perante à sociedade.

Outro que também já anunciou sua pré-candidatura ao cargo de presidente é o advogado Aldenor Rebouças Júnior, ele também é dissidente do grupo de Thiago Diaz.

São onze nomes na condição de pré-candidato, obviamente muitos podem desistir até lá e fazer composições. Assim como no caso dos grupos Vem Comigo e Repense OAB, apena um deve ser lançado na disputa.

A eleição da OAB ocorre em novembro desse ano e pode até ter sofrer influência também da disputa partidária pelos cargos de governador e presidente da República. Atualmente mais de 13 mil advogados estão aptos para votar.

Edições feitas no dia 18/01/2018 Às 7h18.

%d blogueiros gostam disto: