Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

PPS se une ao PSDB e juntos planejam indicar o nome do vice-governador na chapa de Flávio Dino

9 de abril de 2014 : 07:28

O IMPARCIAL

Se a candidatura de Flávio Dino (PCdoB) já era considerada, ela está prestes de ter sua força ainda mais potencializada. Isso deve ocorrer, pois PSDB e PPS estão muito próximos de declarar apoio ao bloco oposicionista. Em uma nota conjunta produzida pela direção dos dois partidos é apontado: “o ideal é que haja a convergência dos partidos de oposição em torno de uma única candidatura ao governo e ao senado”.

Porém condições são colocadas para que a adesão dos dois partidos ocorra. As duas legendas exigem que a chapa majoritária seja novamente discutida, isso quer dizer que na prática que os dois partidos desejam indicar um nome para a vaga de vice-governador, uma vez que existe um acordo e consenso em torno do nome de Roberto Rocha para o Senado.

Na nota os partidos ainda alertam, o que pode acontecer, caso o pedido de discussão da formação de uma nova composição majoritária: “caso não sejam criadas as condições objetivas que viabilizem essa aliança, PPS e PSDB lançarão projeto próprio fundamentados em um programa de governo que promova desenvolvimento com sustentabilidade e a inclusão social de milhares de maranhenses”.

Os presidentes Carlos Brandão e Eliziane Gama foram procurados para comentar o assunto. No entanto somente a representante do PPS, quis comentar o assunto. A deputada estadual, disse que é um posicionamento do partido e que ela mantém sua pré-candidatura ao governo até o momento que os partidos forem chamados para iniciarem as negociações.

“O campo está aberto, se as negociações prosperarem, temos um acordo mútuo com o PSDB e eles irá apoiar minha candidatura ao governo, nosso acordo foi de forma um bloco PPS/PSDB”, comentou o assunto.

Procurado para também se posicionar sobre a situação, o presidente do PCdoB, Márcio Jerry, disse que o posicionamento dos partidos, representa “uma demarcação política contra o Grupo Sarney”. Sobre o conteúdo e teor da nota, ele disse que será agenda com certa urgência uma conversa com os dirigentes dos dois partidos para que eles conduzam com tranquilidade a unidade na oposição.

“Vamos discutir de forma harmoniosa com o PPS e PSDB a formação da chapa majoritária, logo depois iremos chamar os demais partidos e encontraremos um consenso”, declarou.

Vale lembrar que a entrada do PSDB e PPS agrega a candidatura de Flávio Dino, quase três minutos de propaganda partidária durante a campanha, fora a força política de nomes carimbados da política local como de João Castelo (PSDB) e o ex-vice-governador Pastor Porto (PPS).


Confira a nota na íntegra:

PSDB e PPS dividem projeto político

A decisão da governadora Roseana Sarney de permanecer no governo até o final do seu mandato demonstra, decerto, a evidente deterioração da unidade política do seu grupo. Permanecer no governo é também uma demonstração de contagiante fragilidade da continuidade do projeto de poder do grupo.

Além disso, sua decisão de não disputar a vaga para o senado abre reais perspectivas para a vitória de uma candidatura de oposição tanto para governador como para senador no pleito que se aproxima.

Em razão disso, defende-se que a unidade das oposições aproximará as condições políticas e eleitorais necessárias para enfrentar e derrotar a mais antiga oligarquia em atividade no Brasil.

Cientes da necessidade e da complexidade dessa unidade, que reúne partidos com proposições diversas no plano nacional, é que o PPS e o PSDB, partidos fundamentais para a consolidação de uma frente de oposição programática, alertam para a urgente necessidade do realinhamento das alianças necessárias para o enfrentamento da disputa eleitoral e para a consecução de um projeto de mudanças reais que traga dias melhores para o povo maranhense.

O realinhamento dessas alianças passa necessariamente pela rediscussão da chapa majoritária do candidato da oposição.

Por razões nacionais e também estaduais, PPS e PSDB no Maranhão, compõem, a partir de agora, um bloco unitário e programático, em razão de ter entre seus quadros excelentes nomes para disputa eleitoral.

O ideal é que haja a convergência dos partidos de oposição em torno de uma única candidatura ao governo e ao senado; todavia, caso não sejam criadas as condições objetivas que viabilizem essa aliança, PPS e PSDB lançarão projeto próprio fundamentados em um programa de governo que promova desenvolvimento com sustentabilidade e a inclusão social de milhares de maranhenses.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>