Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Saiba quem é a maranhense considerada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo

23 de maio de 2022 : 18:04

A ativista Sônia Guajajara está entre as 100 pessoas mais influentes do mundo, segundo a revista Time. A publicação divulgou a lista nesta segunda-feira (23).

Sônia Guajajara é uma indígena maranhense, que se destaca pelo ativismos indígena e ambiental, estando na linha de frente na luta contra vários projetos que ameaçam os direitos e a vida dos povos indígenas, bem como o meio ambiente.

Sônia é reconhecida internacionalmente, por causa das dezenas de denúncias que já fez na Organização das Nações Unidas (ONU), no Parlamento Europeu e nas Conferências Mundiais do Clima (COP), de 2009 a 2021, sobre violações de direitos indígenas. A maranhense já viajou mais de 30 países do mundo na luta pelos seus ideais. Com uma grande trajetória de ativismo ela entrou para a lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, feita pela Revista Time. Além de Sônia Guajajara, o pesquisador Tulio de Oliveira é o segundo brasileiro a compor a lista.

No texto de apresentação da maranhense, feita por Guilherme Boulos, como coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto do Brasil, a Time destacou a resistência de Sônia contra o machismo, contra o massacre de povos indígenas e contra o neoliberalismo.

Nascida na Terra Indígena Araribóia, no Maranhão em 1974, Sônia é do povo Guajajara/Tentehar. Filha de pais analfabetos, aos 15 anos foi convidada para cursar o ensino médio no Estado de Minas Gerais. Depois ela voltou para o Maranhão e, em 1991 ela formou em Letras pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e, em 2003 se formou em Enfermagem, também pela UEMA. Já em 2005 ela fez pós-graduação em Educação Especial.

Com seu destaque na luta pelos povos indígenas, em 2009, Sônia Guajajara foi eleita vice-coordenadora da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB). Em 2013 foi eleita coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), onde começou a atuar no movimento indígena em âmbito nacional.

Na coordenação da APIB, onde está terminando o seu segundo mandato (2017/2022), a maranhense desenvolve uma agenda intensa na luta pelos direitos indígenas no Congresso Nacional, estando na linha de frente contra projetos que retiram direitos e ameaçam os povos indígenas. A atuação dela na APIB também foi destaque no texto da Time.

“Hoje, como coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Sônia Guajajara está na linha de frente da luta contra a tentativa do governo Bolsonaro de destruir as terras indígenas, junto com a floresta amazônica. Seu trabalho vai desde a participação na COP26 – que criou um fundo de US$ 1,7 bilhão para povos indígenas e comunidades locais, reconhecendo seu trabalho essencial protegendo terras e florestas da degradação – até os últimos meses, quando ela liderou protestos de milhares de pessoas, reunindo centenas de grupos étnicos indígenas, que ajudaram a travar um “pacote de morte” de legislação anti-indígena. Ela também chamou a atenção nacional para o atropelamento dos direitos indígenas durante a pandemia do COVID-19”, afirma outro texto da publicação escrita por Boulos.

Sônia também tentou ingressar na política em 2018, quando foi a primeira indígena a compor uma chapa presidencial, ao lado de Guilherme Boulos. Porém a chapa perdeu as eleições.

Mas a luta de Sônia prossegue, em 2019, ela foi co-organizadora da Primeira Marcha das Mulheres Indígenas em Brasília, evento que reuniu mais de 2 mil mulheres de diversos povos. Com a marcha, foi criada a Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (ANMIGA), uma organização nacional que visa mobilizar mulheres indígenas de todos os biomas do Brasil.

Já em 2019, Sônia Guajajara esteve à frente da Jornada Sangue Indígena Nenhuma Gota Mais, que percorreu 12 países da Europa, levando denúncias sobre violações, cometidas pelo Governo Bolsonaro, e cobrando medidas para que o governo brasileiro e empresas do agronegócio cumprissem os acordos de preservação do meio ambiente e respeito aos direitos dos povos indígenas dos quais o Brasil é signatário.

Atualmente, além de coordenar a APIB, Sônia também compõe o Conselho da Iniciativa Inter-religiosa pelas Florestas Tropicais do Brasil, iniciativa que faz parte de um Programa das Nações Unidas.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>