Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Eles são todos iguais, só o discurso que muda

Durante o período do segundo reinado no Brasil, que foi instalado a partir do ano de 1840, instalou-se o parlamento no país também. Os legisladores se dividiam entre os Liberais (antigos Progressistas) e Conservadores (antigos Regressistas), no entanto muitos diziam que em nada eles divergiam, tanto que surgiu a famosa frase: “Nada mais liberal do que um Conservador no poder e nada mais conservador do que um Liberal no poder”. Isso ocorria pois os partidos acabavam se revezando no comando do parlamento e no fim das contas cometiam as mesmas práticas. 

Contextualizando esse cenário com o Maranhão, poderíamos analisar situações que colocam lado a lado aqueles que são taxados de sarneístas e os que se nomeiam anti-sarneístas, que poderia ser uma espécie de divisão entre partidos. No entanto assim como no período imperial do país, eles pouco se diferem, afinal quando chegam ao poder cometem as mesmas práticas.

Do alto da tribuna na Assembleia Legislativa, Rubens Pereira
Júnior pede moralidade na política
Um exemplo disto que acaba sendo extremamente curioso foi do deputado estadual, líder da oposição e pré-candidato a deputado federal, Rubens Pereira Júnior (PCdoB). O parlamentar eleito em 2006 pelo nanico PRTB (legenda de histórica ligação com o grupo Sarney), porém ainda em seu primeiro mandato decidiu migrar para o campo comunista no qual acabou conquistando a reeleição em 2010.

No entanto as mudanças partidárias, os pronunciamentos inflamados e que clamam moralidade na política, acabando escondem os conchavos praticados por aqueles que pregam a mudança do Maranhão. Isso é facilmente perceptível através de um ato administrativo publicizado no Diário Oficial da Assembleia recentemente.

No dia 1 de abril de 2014, o deputado estadual Rubens Pereira Júnior solicita a exoneração de Glalbert Nascimento Cutrim do cargo em Comissão, Símbolo Isolado de Técnico de Parlamentar Especial.


Mas quem é este funcionário da Assembleia? Glalbert Cutrim nada mais é que pré-candidato a deputado estadual pelo PRB, empresário e filho do presidente do TCE e aliado da família Sarney, Edmar Cutrim. O cargo ocupado pelo antigo funcionário de Rubens Júnior, gerava um vencimento mensal superior a R$14 mil na Assembleia Legislativa, por isso o posto ocupado é chamado por alguns de ISO ou simplesmente Assessor Especial.

Mas qual é a especialidade que o jovem rapaz desenvolvia no gabinete do comunista?

Sem antes questionar a assiduidade dele no parlamento, afinal existem centenas de outros casos iguais, servidores nomeados em gabinetes de deputados que se quer sabem onde ficam tais locais. E isto é passível de crime.

A relação que chama a atenção é a extrema ligação entre o anti-sarneísta Rubens Pereira Júnior com o sarneísta Edmar Cutrim. Alguns irão até questionar essa eterna polarização que existe no estado – até concordo que isso esvazia o debate em muitos casos.

Mas pulando essa divisão de campo, vamos a coisa prática. Antes de mais nada, deve-se deixar bem claro que não há nada de ilegal na nomeação e exoneração. O deputado Rubens Pereira Júnior tem o direito de nomear quem ele desejar, mas aqui encontra-se um caso de tácito de imoralidade na política. Afinal as antigas práticas cometidas no funcionalismo público e conveniência política que são condenadas, acabam sendo praticadas.

Caminhando para um desfecho, acho necessário fazer a seguinte analise. Qual a necessidade de existir um aparelhamento por completo da estrutura pública do estado? Afinal, já está óbvio que Glabert Cutrim não prestava nenhum tipo de trabalho no gabinete parlamentar, pelo menos aquele que se presume que deveria ser desenvolvido. O pretenso parlamentar e ex-funcionário de Rubens Júnior estava em pré-campanha desde o ano passado, rodando pelo estado e aí fica claro que esta não era nenhuma atividade desempenhada para a Assembleia Legislativa.

Glalbert Cutrim, filho do presidente do TCE, empresário
e pré-candidato a deputado estadual, tinha salário
de R$15 mil na Assembleia Legislativa
Isso demonstra que a sede pelo poder nunca cede. Edmar já é presidente do Tribunal de Contas do Estado, um dos mais importantes órgãos do estado. Tem um dos filhos como prefeito de São José de Ribamar, o Gil Cutrim (PMDB) e agora deseja inserir no parlamento estadual, seu outro filho, Glalbert, mas antes que isso acontecesse já lhe garantiu uma ótima mesada mensal.

Edmar, Rubens e Glalbert não precisavam disso e por trás desse trio se esconde uma complexa ligação política, que só evidencia o falso moralismo na política e o perigo que se tem ao deixar que isto permaneça acontecendo.

Em tempo faz-se questão de citar, que além de advogado, filho do presidente do TCE e até então nomeado como assessor especial na Assembleia Legislativa do Maranhão, Glalbert Cutrim ainda empresário, proprietário de uma famosa barbearia em São Luís. De certo fica provado, que ele não precisava deste favorzinho do comunista Rubens Pereira Júnior.

E assim como os Liberais e Conservadores no Brasil império, assim permanecerá entre sarneístas e anti-sarneístas no Maranhão oligarquia.