Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Carnaval de São José de Ribamar é alvo de reclamações e protestos

27 de fevereiro de 2014 : 16:18
O prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim, parece mesmo não acertar quando o assunto é gerir Cultura. Até o ano passado, a gestão do prefeito era responsável por contratar bandas de outros estados pagando-lhes cachês considerados exorbitantes, ou altos demais. Enquanto que os grupos e bandas locais não recebiam sequer 10% do total pago aos artistas visitantes.
Desejando mudar essa lógica, o prefeito tenta agora realizar um carnaval ‘’tipicamente ribamarense’’ com atrações da cidade, mas, esbarra na insatisfação de parte da população do município, acostumada com atrações de ‘’maior expressão’’(assim mesmo, entre aspas). O descontentamento segue generalizado por ruas de bairros de Ribamar, e também nas redes sociais.
”Tudo bem que ele quer fazer um carnaval daqui, sem trazer bandas de fora, mas o ideal seria ele (Gil Cutrim) pagar o mesmo cachê para os grupos e músicos da cidade, igualando com o cachê das bandas dos outros estados para quem eles pagavam milhões, como ele não quer pagar com o tratamento igual dispensado ao artista de fora, inventou de que tá valorizando os músicos daqui, que rebe muito pouco por suas apresentações nos circuitos montados pela prefeitura”, explica um folião ribamarense. 
A explicação do folião encontra maior profundidade do fato de Gil Cutrim e sua gestão para Cultura estarem preocupados em enxugar a receita para o setor em programações consideradas de grande proporção como é o caso do carnaval e também do São João. ‘’ Não adianta deixar de trazer as bandas de outros estados para tocar aqui na cidade, até porque o cachê que era dado a essas bandas não é dado agora para os artistas de Ribamar, o nosso cachê é muito pouco e ainda atrasa’’, diz um músico do município. 
A programação deste ano batizada com o slogan ”Tradição e Alegria”, foi anunciada com a participação de mais de 70 agremiações carnavalescas, incluindo blocos organizados, bandas, blocos afro, escola de samba, tambor de crioula, blocos alternativos, grupos de samba e outras manifestações. Mas pelo visto, nem público e artistas seguem satisfeitos. Pelo menos, até aqui, quando ainda não foi anunciado com transparência o dinheiro que será aplicado no carnaval de 2014. 
“Queremos saber qual o valor do recurso destinado para o carnaval deste ano aqui em Ribamar, e como esse dinheiro será aplicado e distribuído às brincadeiras e artistas locais, porque nunca se sabe como essa distribuição é feita, se uns ganham menos e outros mais, por exemplo, o dinheiro é público e temos direito de ter essa informação”, exigiu uma cantora ribamarense que pediu para não ser identificada.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>