Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Roberto Jefferson deve pôr fim à dinastia do clã “Fernandes” do PTB do Maranhão que já dura quase 20 anos

19 de fevereiro de 2021 : 22:57
No PTB, a política é de pai para filho

Roberto Jefferson, presidente nacional, deve pôr fim à uma das dinastias familiares mais longas que dominam partidos políticos no Maranhão. Desde 2003, o clã Fernandes comanda o PTB maranhense.

Foi 18 anos atrás, que o ex-deputado federal Pedro Fernandes assumiu o comando do PTB e só deixou em 2019, quando transferiu para seu filho, o deputado Pedro Lucas Fernandes. A transmissão de cargo lembrou o tempo imperial, que a coroa do reinado passava de pai para filho.

Ao longo dos últimos anos, o PTB no Maranhão só serviu para manter os “Fernandes” no poder.

Basta observar o histórico do partido que se resumiu a eleger em 2006, 2010, 2014 e 2018, apenas representantes dos Fernandes como deputados federais, três vezes Pedro Fernandes e a última Pedro Lucas.

O tamanho do domínio familiar do partido ficou evidente na última eleição quando o PTB teve apenas dois candidatos a deputado federal além de Pedro Fernandes e os dois juntos – Raimundo Carvalho e Professora Livramento – não tiveram nem 6 mil votos.

Fora isso, entre 2006 e 2018, o PTB elegeu apenas dois deputados estaduais e em apenas duas oportunidades, um deles, Manoel Ribeiro em 2010, irmão de Pedro Fernandes. A outra foi Mical Damasceno em 2018 que segue alinhada com a direção nacional que defende o governo Bolsonaro.

O PTB ainda teve um senador entre 2007 e 2015, que foi Epitácio Cafeteira, que curiosamente teve outro irmão de Pedro Fernandes como suplente, o empresário Afonso Ribeiro.

No âmbito municipal de São Luís, o PTB teve como vereador eleito Pinto Itamaraty em 2004, que logo deixou o partido. Voltou a eleger em 2012, o neófito Pedro Lucas Fernandes, o qual foi reeleito em 2016.

No ano de 2020, Silvana Noely foi eleita vereadora pelo PTB, mas quase isso não era possível, pois a pretensão do clã Fernandes era botar Paulo Casé como candidato, ele é filho de Pedro Fernandes.

Porém o clã Fernandes não abriu mão da candidatura de Paulo Casé pensando na democracia e na pluralidade interna, mas sim em concentrar fogo na campanha de Pedro Fernandes a prefeito de Arame, a qual venceu por apenas 248 votos de diferença.

Outro aspecto do clã Fernandes que é observado é a conveniência política. Por anos foram aliados ao grupo Sarney, inclusive exercendo funções como de secretário da Educação no último governo Roseana Sarney. Porém, os Pedro’s não tiveram nem um pudor em mudar de opinião e ao declarar apoio a Flávio Dino em troca de espaço no governo, quando em 2017, Lucas Fernandes assumiu a AGEM.

Agora sem o comando do PTB, o clã Fernandes terá que buscar abrigo em outro partido para chamar de seu, assim como aconteceu nos últimos  18 anos.

O deputado federal Pedro Lucas Fernandes afirmou que a análise feita não é real, uma vez que o PTB ampliou seu número de prefeitos e vereadores de 2016 para 2020.

Ampliando de 7 para 14 prefeitos e passando a ter 130 vereadores eleitos em 2020 quando em 2016 foram 71.

Um comentário em “Roberto Jefferson deve pôr fim à dinastia do clã “Fernandes” do PTB do Maranhão que já dura quase 20 anos”

  1. ANA

    1 semana atrás  

    Pedro lucas errou feio em não seguir orientação do partido,para tentar agradar os comunistas do Maranhão, ele esta condenando a sepultar o nome do Pedro Fernandes em razão a submissão ao comunismo.Mas acredito que essa situação ira ser contornada pelo pai.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>