Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Justiça nega tentativa de comunistas calarem cantora Alcione e Roseana Sarney

9 de agosto de 2018 : 10:53

Em uma ação de total desespero dos comunistas, uma representação feita por advogados do escritório Carlos Lula, tentaram retirar do ar, o vídeo em que a cantora Alcione Nazaré canta na convenção do MDB no último dia 29 de julho, no Espaço Renascença, que já atingiu mais de 10 mil visualizações. Os representantes do PCdoB querem que o vídeo publicado no Youtube, seja retirado do ar, por isso mais uma vez tentam punir o jornalista Diego Emir pela publicação da participação de Marrom no ato que homologou a candidatura de Roseana Sarney.

Apesar do pedido dos advogados do escritório Carlos Lula, o juiz Clodomir Sebastião Reis negou provimento da liminar, “analisando a prova apresentada com a inicial, parece-me que não constam – ao menos nesta análise preliminar – elementos suficientes que caracterizem propaganda eleitoral antecipada a ponto de justificar a concessão da medida de urgência pretendida. É que ao se examinar o vídeo postado na exordial, não é possível inferir que tenha havido pedido explícito de votos”.

Clodomir Sebastião Reis ainda completa: “com base nas provas constantes nos presentes autos, visto que não houve pedido explícito de votos no conteúdo do vídeo objeto da presente representação, não vislumbro a prática de propaganda eleitoral antecipada que gere prejuízos a uma disputa eleitoral equilibrada entre os candidatos e por isso não considero ser razoável a concessão da medida de urgência requerida”.

Se já não bastasse o pedido esdruxulo dos advogados do escritório Carlos Lula, ainda requereram segredo de justiça, porém o próprio foi negado, alegando que “não há previsão legal nem razão jurídica que justifique a restrição à publicidade, que é característica das Representações Eleitorais”.

Um comentário em “Justiça nega tentativa de comunistas calarem cantora Alcione e Roseana Sarney”

  1. Pablo

    4 meses atrás  

    Que Flávio quer ditar o que podemos ouvir, pensar, opinar, ele quer, mas parece constantemente esquecer que está num estado democrático. Flávio Dino precisa se tratar. É muito delírio para pouco desespero.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>