Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Comprar ou alugar o imóvel: Qual é a melhor forma de investir na empresa?

17 de maio de 2018 : 19:46

O início da trajetória do empreendedorismo costuma abrir margem para o surgimento de dúvidas e questionamentos, sendo um deles em particular a seguinte reflexão: É mais válido comprar ou alugar o imóvel em que a organização atuará? Em tempos de crise onde as finanças são incertas, a pergunta é capaz de tirar o sono dos empresários de primeira viagem. Mas, como outras demandas do universo corporativo, a decisão precisa de uma análise ampla por meio de múltiplos cenários. É necessário entender os prós e contras de cada escolha para conseguir ser assertivo no momento de bater o martelo.

“Muitos brasileiros seguem o caminho do negócio próprio e no instante de optar por uma sede ou ponto comercial acabam por questionar-se em relação a investir parte do capital na aquisição do imóvel ou manter a flexibilidade do aluguel. Neste contexto, a primeira mensagem a ficar clara é que não existe certo e errado. Na verdade, os impactos da decisão dependem da situação vivida por cada empreendimento. Essa avaliação leva em consideração as vantagens e desvantagens das opções”, afirma Marcus Marques, mentor de pequenas e médias empresas.

Pensando em contribuir para o processo de escolha, o mentor listou os principais cenários possíveis para compra e aluguel. A ideia é que os empreendedores utilizem as informações citadas a fim de tentar encaixá-las em um dos exemplos para alcançar um consenso empresarial.

Reflita

– Investimento em capital de giro: Ao ouvir a palavra aluguel, a primeira sensação que vem a mente é a de “jogar dinheiro pela janela”. Afinal, é um valor que não retornará. Contudo, caso você esteja prestes a entrar no mercado e não tenha uma base de clientes definida, precisará de um capital considerável para giro. A expressão trata-se da quantia que permanece à disposição do empreendimento para que possa operar em uma fase não tão próspera. Ou seja, em meio a um futuro próximo nebuloso, é mais válido armazenar em uma conta a quantia que seria investida na compra do estabelecimento. Inclusive, os juros do armazenamento podem custear o aluguel.

– Redução dos custos operacionais: As empresas têm particularidades em termos de funcionamento. Para uma organização com um alto custo operacional é melhor investir na aquisição do imóvel, pois devido a demanda estrutural podem existir dificuldades de atingir o ponto de equilíbrio. Dessa maneira, o aluguel apresenta um gasto maior do que o a estrutura fixa.

– Valorização do estabelecimento: Quando se trata de adquirir um imóvel apenas guiado pela possibilidade de valorização, é preciso pensar duas vezes. Por conta da crise econômica do Brasil, o ramo imobiliário foi afetado e ao tentar uma recuperação passou a oferecer imóveis acessíveis com a expectativa de uma futura melhora no setor, o que valorizaria a compra. Mas, por outro lado, o risco de acontecer o oposto do esperado existe. A partir desta situação, é fundamental refletir sobre o motivo da aquisição para ser assertivo na decisão.

– Flexibilidade: Em um momento de incertezas e por consequência, inconstância mercadológica, é imprescindível se apropriar da flexibilidade e capacidade de adaptação. Por este ângulo, alugar em uma necessidade de mudança tem custos relativamente baixos. No entanto, descobrir alguns meses depois da compra do ponto que o local não tem um forte potencial para vendas é um problema. Será difícil colocar o imóvel a venda, adquirir outro e ainda recomeçar as atividades. Ou seja, pode ser uma boa alternativa alugar nos primeiros anos de empreendimento para garantir o lado flexível e de rápida reação.

– Perfil do empreendedor: O fator não deve ser visto como decisivo para a tomada de decisão, porém, não deixa de influenciá-la. Os empresários com características conservadoras não querem se comprometer com riscos e, portanto, se adéquam na opção de aluguel. Já os modernos tendem a se expor as possibilidades e a entender que a compra do imóvel enfatiza a certeza de um negócio próspero.

 

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Conversa Franca

Enquetes

Em quem você votaria para prefeito de São Luís?

  • Ivaldo Rodrigues (30%, 9.158 Votes)
  • Wellington do Curso (27%, 8.158 Votes)
  • Osmar Filho (20%, 6.179 Votes)
  • Yglesio Moyses (7%, 1.982 Votes)
  • Felipe Camarão (4%, 1.306 Votes)
  • Duarte Júnior (4%, 1.245 Votes)
  • Eduardo Braide (2%, 744 Votes)
  • Pastor Silvio Antonio (1%, 321 Votes)
  • Adriano Sarney (1%, 238 Votes)
  • Allan Garcêz (1%, 164 Votes)
  • Neto Evangelista (1%, 158 Votes)
  • Bira do Pindaré (0%, 101 Votes)
  • Outro (0%, 93 Votes)
  • Não sei (0%, 67 Votes)
  • Pedro Lucas Fernandes (0%, 65 Votes)
  • Fábio Câmara (0%, 49 Votes)
  • Márcio Jerry (0%, 42 Votes)
  • Helena Duailibe (0%, 41 Votes)
  • Astro de Ogum (0%, 31 Votes)
  • Zé Inácio (0%, 27 Votes)
  • Estevão Aragão (0%, 16 Votes)

Total Voters: 30.185

Carregando ... Carregando ...

Contato

Mande sua sugestão de conteúdo
E-mail: [email protected]
E-mail: [email protected]
WhatsApp: (98) 99112 5406