Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Flávio Dino já ofertou a Fábio Gentil as indicações políticas feitas por Humberto Coutinho

2 de janeiro de 2018 : 07:41

Inescrupuloso, assim pode ser definido o governador Flávio Dino (PCdoB), após ter feito negociatas políticas e já tratando o presidente da Assembleia Legislativa como um morto antes mesmo do Natal ( a sua morte ocorreu no dia 1º de janeiro de 2018). Durante sua passagem por Codó no dia 21 de dezembro, o comunista conversou com o prefeito de Caxias, Fábio Gentil, e lhe ofereceu todas as indicações políticas feitas pelo presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Na oportunidade, Flávio Dino perguntou a Fábio Gentil o que ele desejava para fechar o apoio ao seu projeto político que visa a reeleição em 2018. Chegando a questionar: “O que você quer?”. 

Em resposta ao comunista, Fábio Gentil respondeu que nunca recebeu nenhuma ajuda, nenhum recurso do governo do estado e nem suas demandas foram atendidas.

Mas de forma sórdida, Flávio Dino teve a coragem de afirmar ao prefeito de Caxias, que Humberto Coutinho estava  praticamente morto e diante da iminência da saída de cena em definitiva do presidente da Assembleia Legislativa seria garantido a Fábio Gentil a verba de R$2,2 milhões por mês para a Saúde do municipio, todos os cargos do governo em Caxias, 50 km de asfalto e qualquer outro pedido na cidade.

Fontes ligadas ao prefeito de Caxias confirmam que Flávio Dino chegou a usar o termo: “Assim que ele morrer, eu tiro toda a verba do hospital dele e repasso para a prefeitura. Serão 2,2 milhões por mês para a saúde na prefeitura . Eu te entrego todos os cargos do estado em Caxias. Faço 50 km de asfalto. E o que mais você quiser”.

Assustado com a frieza e a inescrupulosidade de Flávio Dino, estarrecido Fábio Gentil perguntou: “Mas governador e como fica a família do Humberto Coutinho?”. De pronto, o comunista teria dito que o importante era o apoio do prefeito em Caxias.

Lamentável a postura do governador Flávio Dino como tratou Humberto Coutinho nos seus últimos dias de vida. Vale lembrar que o presidente da Assembleia Legislativa era seu padrinho político, o homem que investiu milhões na campanha eleitoral.

Se Flávio Dino trata assim quem era um leal amigo, o que não seria capaz de fazer com um humilde eleitor depois que não precisar mais do seu voto ?

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>