Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Advogado da JBS é preso em hotel de São Luís nesta quinta-feira (18)

O advogado Willer Tomaz, sócio da rádio JK FM de Brasília foi preso na manhã desta quinta-feira (18), em São Luís em um hotel da Ponta do Farol. Já se sabe que Willer Tomaz também advoga para diversos políticos no Maranhão, entre eles estaria o governador Flávio Dino.

O advogado Willer Tomaz foi encaminhado para a sede da Polícia Federal (PF), no bairro Cohama, na capital, de onde será levado para Brasília ainda nesta tarde.

De acordo com as investigações, Willer teria coaptado o procurador da República Ângelo Goulart Villela para que ele interferisse na Operação Greenfield, que investiga irregularidades nos fundos de pensão Funcef, Petros, Previ e Postalis – e de atrapalhar o processo de negociação do acordo de colaboração premiada do empresário Joesley Batista, um dos do sócios da holding J&F, dona do frigorífico JBS.

No dia 3 de maio, o delator Joesley Batista gravou e fotografou Goulart e Tomaz juntos em um jantar, que seria uma reunião secreta, na casa do advogado. Segundo o delator, durante o encontro o procurador gabava-se de ter pleno acesso às informações da Greenfield e da Lava Jato e repassou detalhes das investigações ao advogado.

Na manhã desta quinta, depois de a prisão de Goulart ter sido feita, o PGR, Rodrigo Janot, enviou um comunicado aos colegas para explicar a situação. Segundo ele, o sucesso desta etapa das investigações “tem um gosto amargo”. O procurador-geral afirma ainda que eles tentaram interferir nas negociações de delações premiadas com envolvidos da Greenfield.

Entre os envolvidos, o Grupo J&F, dono do frigorífico JBS, de Joesley. “A responsabilidade criminal do procurador e dos demais suspeitos atingidos pela operação de hoje será demonstrada no curso do processo perante os juízos competentes, asseguradas todas as garantias constitucionais e legais”, diz Janot, na nota.

*Com informações do Correio Braziliense