Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Flávio Dino era conhecido como “Cuba” em planilha de pagamento a políticos da Odebrechet

Em um documento do Ministério Público Federal é possível identificar como o governador Flávio Dino (PCdoB), era conhecido pelos executivos da Odebrechet. De acordo com o depoimento de José de Carvalho Filho que afirmou ter negociado o pagamento de R$400 mil para a campanha eleitoral de 2010 do comunista, o ex-juiz federal era conhecido pelo apelido de “Cuba”.

Segundo o delator José de Carvalho Filho, ex-funcionário da Odebrecht, em 2010, quando era deputado federal, Flávio Dino pediu R$ 400 mil para defender na Câmara dos Deputados um projeto de lei que beneficiaria a construtora. O projeto atribuiria segurança jurídica a investimentos do grupo Odebrecht. Num dos encontros, o então deputado também pediu ajuda para a sua campanha eleitoral ao Governo do Estado do Maranhão.

À época, segundo José de Carvalho Filho, a Odebrecht tinha interesse na aprovação do projeto de lei 2.279, de 2007, que vetava a aplicação no Brasil de leis estrangeiras que afetem o comércio internacional. Um dos temores da Odebrecht é que leis americanas que proíbem investimentos em Cuba fossem adotadas no Brasil. O delator afirma que essa lei “atribuía segurança jurídica a investimentos do grupo Odebrecht”. Talvez por isso, Flávio Dino passou a ser conhecido como “Cuba” pela empreiteira.

O então deputado federal, Flávio Dino, recebeu o total de R$ 400 mil, pagamento efetuado pela Odebrecht para a sua campanha ao Governo do Estado do Maranhão. A senha para receber o repasse foi entregue para o próprio parlamentar. A operação foi realizada pelo setor de operações estruturadas e registrada no sistema “Drousys”.

Outra documento divulgado pelo jornalista Marco Aurélio D´eça, mostra uma planilha em que “Cuba” que possuía ao lado a sigla “MA” de Maranhão, estava com o número de 200, sugerindo que este numeral se referia ao valor que seria pago no dia 19 de agosto de 2010. A autorização do pagamento teria sido feita por João Pacifico, executivo da Odebrechet.

Na planilha estão outros políticos como:

Duarte Nogueira – PSDB/SP – o Corredor

Antônio Brito – PSD/BA – o Misericórdia, logo acima de Cuba

Heráclito Fortes – DEM/PI – o Boca Mole, logo abaixo de Cuba

José Francisco Paes Landim – PTB/PI – o Decrépito, logo abaixo de Boca Mole

Enquanto isso, Flávio Dino jura inocência…