Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Eliziane Gama diz: “Edilvaldo adota a prática da velha política” e que São Luís “não tem gestão municipal”

4 de janeiro de 2016 : 08:50

ElizianeEliziane Gama concedeu entrevista neste fim de semana ao Jornal Pequeno, o Blog do Diego Emir publica na íntegra o material produzido pelo jornalista Itevaldo Júnior.

Pré-candidata a prefeita de São Luís, a deputada federal Eliziane Gama (Rede) afirmou que somente Deus a faria desistir da candidatura. A parlamentar elogiou o governador Flávio Dino – a quem definiu como o prefeito de fato da capital –, o ex-governador e deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) e a vereadora Rose Sales (PV).

Líder em todas as pesquisas eleitorais realizadas em 2015, Eliziane Gama disse que não vetará nenhum partido ou grupo político que encampe o projeto de reconstrução de São Luís, proposta pela sua pré-candidatura. A parlamentar negou que deixará a Rede para disputar a eleição municipal por outra legenda e declarou não ter recebido nenhum convite de filiação do PSDB, PSB ou PSC. Sobre a gestão do prefeito da capital, ela avaliou como fraca e superficial. Leia os principais trechos da entrevista abaixo:

Jornal Pequeno – Sua pretensão é ser candidata a prefeita pela Rede ou deixará o partido?

Eliziane Gama – Fiz uma transição partidária recente para a Rede. Estamos construindo alianças, mas do ponto de vista partidário não penso e não cogito deixar a Rede. Agora, tudo é possível, não é uma posição irredutível. O que para mim não é irredutível são os princípios e valores para mudar São Luís. Eu não abrirei mão daquilo que acredito para a nossa cidade.

JP – Existem os convites para a deputada se filiar ao PSB, PSDB ou PSC?

Eliziane Gama – Tenho uma relação muito boa com todos esses partidos. Pessoalmente não recebi convite de nenhum deles. Ouvi declarações muito amistosas e que me deixaram lisonjeada. Em todos esses partidos temos pessoas incríveis, mas não recebi nenhum convite. O meu foco neste momento é o projeto para a reconstrução de São Luís.

JP – Em entrevista ao JP o governador Flávio Dino disse que se manterá equidistante em relação à eleição em São Luís. Como a deputada vê isso?

Eliziane Gama – Primeiramente tem eu e Edivaldo, o governador é governador de todos os 217 municípios do Maranhão. O que tem em São Luís vai se repetir nas mais variadas cidades do Maranhão. Sou convicta de que o Flávio é uma pessoa madura, coerente e tenho certeza que ele não vai fazer campanha eleitoral nessas cidades. Eu não espero que Flávio faça campanha para mim, como também não espero que ele faça para o Edivaldo.

Acredito que ele mantenha a posição dele de imparcialidade e deixará a campanha correr num nível de tranquilidade. Aliás, isso foi um compromisso que ele assumiu e tem repetido com muita frequência. Nós firmamos isso desde quando retirei a minha pré-candidatura ao governo em 2014. Tenho uma relação pessoal com o Flávio muito boa e acredito nisso.

JP – Quem são os aliados que a senhora conta para disputar a Prefeitura?

Eliziane Gama – Estamos conversando com todos os partidos. Temos conversa com o PSB, temos diálogos avançados com o PSDB, contamos com o PP, o PR, o PPS e quero conversar com outros partidos deste campo. Agora, temos dialogado muito com o PSB e PSDB.

JP – E o PCdoB do governador Flávio Dino?

Eliziane Gama – Eu nunca sentei com o PCdoB. Mas, vou solicitar uma conversa com o PCdoB e convidá-los para vir conosco na chapa municipal. Já houve colocações de que o partido poderia estar com o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, mas a convenção ainda não aconteceu. Então, tudo pode acontecer até as convenções. Agora em janeiro visitaremos institucionalmente vários partidos e vamos pedir a participação do PCdoB na construção do plano de governo e buscar o partido para nossa aliança. Não vejo como uma impossibilidade, pois na política tudo pode acontecer.

JP – A deputada já conversou com o PMDB, o PV e com os partidos de oposição?

Eliziane Gama – Não. Eu não sentei com nenhum desses partidos ainda. Eu converso com pessoas ligadas a essas legendas como o deputado federal Zequinha Sarney, que é do PV e onde está a vereadora Rose Sales, que é uma extraordinária vereadora e seria incrível numa aliança conosco. Nunca fiz um pedido formal a Rose Sales para compor conosco. Se pudéssemos compor seria formidável. Sonho em ter Rose Sales conosco. No PMDB, converso com os deputados Marcelo Sousa e Hildo Rocha com muita tranquilidade.

JP – Então, há vagas para todos os campos na sua candidatura a prefeita de São Luís?

Eliziane Gama – Temos um projeto para mudar São Luís. Um projeto de reconstrução de nossa cidade.  Todos os partidos que quiserem se adequar ao projeto, serão absolutamente bem-vindos. Agora, não somos nós que vamos nos ajustar às condições dos outros. A Rede pensa assim. Temos quadros bons em todos partidos. Não há veto a ninguém. Vamos governar com todos. Envolvendo os partidos, as pessoas e a sociedade.

JP – A senhora teme chegar sozinha na campanha?

Eliziane Gama – Não tenho medo. Se eu não tiver nenhum partido, mesmo assim serei candidata. Mantenho a candidatura. Afinal de contas, não seria tão novidade isso. Fui candidata em 2012 pelo PPS sozinha. Não tenho essa preocupação. Teremos, sim, uma candidatura forte e com vários partidos.

JP – Como a sua candidatura pretende enfrentar a máquina da Prefeitura?

Eliziane Gama – Se recuperarmos a campanha eleitoral do atual prefeito, ele sempre dizia que começaria a trabalhar em 1º de janeiro. Esperamos um mês, dois, três meses, um ano, dois anos e nada aconteceu. Ele adota a prática da velha política de fazer as coisas, no penúltimo, no último ano de mandato. Mas, a sociedade está muito mais exigente e mais atenta à ação do gestor. Então, a população hoje não está mais desatenta para essa prática da velha política. Isso não cola mais.

JP – Na eleição passada a senhora fazia muita crítica à gestão do ex-prefeito João Castelo. Em relação ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior suas críticas diminuíram, por que a economia das críticas?

Eliziane Gama – A atual gestão municipal é extremamente triste. Para ser sincera, na verdade eu não sei nem se tem gestão para a cidade. São Luís está tão descoberta, tão necessitada de um prefeito que cuide dela que nem sei se temos gestão. A ausência de crítica ou não-crítica é o fato de eu ser deputada federal, acabo debatendo questões macro do país. Eu recebi questões muito macro na Câmara Federal. Mas, isso não me fez deixar de olhar para a cidade. Temos problemas em todas as áreas da cidade. Temos crianças fora de sala de aula, a saúde passa por uma situação triste, com problemas graves, o paciente morre e não consegue consultar. Falta muita coisa em São Luís.

JP – Não há nada que a senhora possa ver de positivo na gestão Edivaldo Holanda Júnior?

Eliziane Gama – Não se consegue detectar isso. É tudo muito superficial. As ações são extremamente superficiais. Agora se consegue vê alguma coisa, mas não é a Prefeitura que está fazendo. É o Governo do Estado que realiza, que faz. Então, o Flávio, após assumir o governo estadual, acabou implementando essas ações em São Luís.

JP – Então o governador faz mais do que o prefeito de São Luís?

Eliziane Gama – Flávio tem assumido a Prefeitura de São Luís. Ele tem sido o prefeito da cidade. Isso é bom para a cidade, é bom para as pessoas. E a população está olhando isso, porque houve uma inoperância geral da Prefeitura nos últimos anos. Para mim, está bem claro que a cidade sofre com a falta de gestão.

JP – Houve algum atrito da senhora com o ex-governador e deputado federal José Reinaldo Tavares? Ele continua apoiando a sua pré-candidatura?

Eliziane Gama – Não. Eu sempre admirei muito o governador José Reinaldo. Acima de tudo pela postura de romper com o grupo político que dominava o Maranhão. Além de um bom articulador político, vejo o José Reinaldo com um amor e uma preocupação com a gestão pública que a gente não vê em boa parte da classe política. Toda vez que conversamos, ele aponta um nome, um quadro técnico para discutir o projeto para São Luís. Ele tem sido crucial e vital na construção do nosso programa. A vinda do ex-governador José Reinaldo me deu muita paz, muita tranquilidade e segurança para fazer uma boa gestão.

JP – Quais são os principais eixos de seu Plano de Governo?

Eliziane Gama – Muito focada na construção do plano de governo. Nossa candidatura é importante, competitiva, com reais chances de ganhar a eleição e você não pode ficar pensando apenas no ganhar a eleição. Você tem que saber o que vai fazer em ganhando a eleição. Não se pode ganhar a eleição e não se ter um planejamento para a cidade. Então, estamos mapeando a cidade, vendo todas as áreas de atuação com foco na saúde, educação, mobilidade urbana, trabalhando a questão da assistência social na vertente do combate à violência. A prefeitura tem hoje 32 secretarias, algumas que foram criadas, mas não cumprem seu papel. Estamos fazendo todo esse levantamento para de fato sabermos o que vai constar no plano de governo.

JP – Caso a senhora seja eleita prefeita de São Luís qual será sua primeira ação?

Eliziane Gama – Acima de tudo o resgate do sentimento da Atenas Brasileira, a partir do investimento na Educação. Quando você olha para as 174 escolas de São Luís, elas são um ambiente inóspito. A capital não tem uma escola de tempo integral. Vamos montar uma rede de bibliotecas. Todos os nossos projetos terão um viés da Educação.

JP – Uma das críticas feitas à senhora, é que a deputada faz política só pensando em si. Como a senhora encara isso?

Eliziane Gama – A caminhada da gente foi sempre sozinha. Fui candidata a deputada estadual, ninguém acreditava. Fui para reeleição e continuaram não acreditando. Fui para uma candidatura à prefeitura sozinha e metade do PPS não estava conosco. Na candidatura a deputada federal, sempre me colocaram como primeira ou segunda suplente. Fui a mais votada do Maranhão. Busco todas as parcerias éticas e muitos não vêem. O sentimento da vitória atrai muito e por eu caminhar num terreno árido, seco, as pessoas me viam como uma impossibilidade de ganhar, de vitória. Por isso, acabei ficando sozinha. Agora estamos num projeto com uma viabilidade eleitoral muito grande.

JP – A outra crítica é que a senhora não cumpre os acordos políticos?

Eliziane Gama – Tentei já fazer um resgate, para tentar entender de onde saiu isso.  E isso é outra coisa infundada e superficial. É uma tentativa da desconstrução. Eu percebo que há uma organização muito forte para tentar macular a nossa imagem. Mas, não vão conseguir, não cola. As pessoas não têm elementos para questionar a nossa idoneidade. Tentam inventar coisas menores, picuinhas. Não me importo com isso.

JP – Que organização é essa?

Eliziane Gama – Quem organiza isso são aqueles que não têm o menor interesse de ver um projeto dessa magnitude para São Luís. De onde vem não me importo muito.  Estou focada no projeto de cuidar da minha cidade. Estou lendo. Estou estudando. Estou ouvindo. Penso nisso todos os dias.

JP – A senhora tem três mandatos no Legislativo, caso seja eleita qual será a sua relação com a Câmara de Vereadores?

Eliziane Gama – Garantindo total autonomia à Câmara Municipal e, ao mesmo tempo, envolvendo os vereadores no processo de reconstrução da cidade. Defendo, por exemplo, que a emenda parlamentar seja impositiva. O Executivo não terá cabo de força na relação com a Câmara de Vereadores. Não existe presidente da Câmara do prefeito. O presidente da Câmara é dos vereadores.

JP – A senhora tem ou não defendido a proposta de impeachment da presidente Dilma Rousseff?

Eliziane Gama – Eu sou a favor do impeachment. Primeiro, vejo que a presidente da República cometeu crime de responsabilidade no caso das ‘pedaladas fiscais’. Segundo, a presidente perdeu as condições políticas de governar. O governo Dilma não tem credibilidade popular. Estamos vivendo a maior recessão da história. Um desemprego que chega aos dois dígitos. Houve corrupção no processo eleitoral. A Rede decidiu acompanhar o processo de modo mais imparcial. O partido não se posicionou a favor ou contra ainda.

JP – A Rede é um partido da base de apoio do governo Flávio Dino?

Eliziane Gama – A Rede vai se posicionar com independência. Apoiamos as ações do governo e as criticamos quando achamos necessário. Não temos nenhuma participação no governo do Maranhão. Não integramos nenhuma estrutura de primeiro, de segundo ou terceiro escalão. Também não recebemos nenhum convite.

JP – A senhora recebeu algum pedido para não ser candidata a prefeita?

Eliziane Gama – Não. Nunca existiu isso. Ninguém teve essa coragem.

JP – Deputada, o que faria a senhora não ser candidata à prefeita de São Luís?

Eliziane Gama – Só Deus. Deus é soberano na minha vida. Uma impossibilidade humana, como um problema de saúde.  Mas, por vontade própria ou de outro, impossível.

2 comentários em “Eliziane Gama diz: “Edilvaldo adota a prática da velha política” e que São Luís “não tem gestão municipal””

  1. 5 anos atrás  

    […] A deputada federal Eliziane Gama (Rede), pré-candidata a prefeita de São Luís, vai oferecer a PCdoB, partido do governador Flávio Dino, a vaga de vice em sua chapa. A afirmação é da própria parlamentar, em entrevista ao Jornal Pequeno, na edição desse domingo 3. A entrevista completa pode ser vista no Blog do Diego Emir. […]

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>