Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Diretores de Pedrinhas acusados de gravar vídeo contra Flávio Dino são afastados

26 de setembro de 2014 : 07:35

Agência Brasil

Dois diretores de uma das unidades do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, foram afastados hoje (25) do cargo. O afastamento foi motivado pela denúncia de um preso, que afirmou ter recebido dos diretores proposta para gravar um vídeo acusando o candidato do PCdoB ao governo do Maranhão, Flávio Dino, de ter participado de um roubo. A denúncia do detento foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A Secretaria Estadual de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap) determinou o afastamento imediato de Carlos Eduardo Sousa Aguiar, diretor da Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ), e de Elenilson Araújo, diretor administrativo da CCPJ, até que sejam concluídas as investigações sobre o vídeo, levado ao ar no começo desta semana, durante um programa de grande audiência da TV Difusora, pertencente à família do senador Edison Lobão Filho, candidato do PMDB ao governo estadual. Há apenas 11 dias, outro diretor de Pedrinhas, Cláudio Barcelos, foi detido preventivamente, por suspeita de facilitar a fuga de presos em troca de dinheiro.

Em depoimento prestado na tarde de quarta-feira (24), André Escócio de Caldas revelou que tudo não passou de uma armação. Caldas acusou os dois diretores de lhe prometerem dinheiro e outros benefícios, como um possível alvará de soltura, caso ele aceitasse aparecer em um vídeo acusando Flávio Dino de participação em um roubo e de ter ligações com uma organização criminosa. A denúncia está sendo investigada pela Polícia Federal (PF), pela Superintendência de Investigações Criminais da Secretaria de Segurança Pública e pela corregedoria da Sejap.

Segundo o Estado de S. Paulo, no depoimento, Caldas confirmou que conhece os criminosos que participaram do roubo, mas negou o envolvimento de Dino. O preso também afirmou que o vídeo contra o candidato foi feito na própria sala de Aguiar, registrado por uma câmera e um celular. Ainda de acordo com o jornal, o diretor da CCPJ também prestou depoimento, confirmando ter gravado o vídeo, mas com o intuito de registrar a denúncia do preso, a quem chegou a dizer que, caso pudesse provar a denúncia, poderia receber benefícios do Poder Judiciário por meio da delação premiada. Caldas negou ter atuado em nome de partidos políticos.

Flávio Dino disse que o vídeo é parte dos ataques que vem sofrendo de seus principais adversários na campanha eleitoral. “De forma irresponsável, a TV de propriedade do meu adversário passou a exibir um vídeo anônimo, armado, falsificado, com personagens que ninguém sabe quem são, inventando histórias absurdas e sem nenhuma prova”. O candidato do PCdoB informou que já pediu à PF para investigar a origem do vídeo a fim de processar os responsaveis.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>