Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Estou demente pela Copa e você também

8 de julho de 2014 : 07:00

Admito que fazia parte daquele grupo que não queria saber de Copa. Durante o primeiro jogo do Brasil, estava no apartamento de um amigo, a reunião era mais por conta de um aniversário e do “feriado”, do que pela própria partida. O resultado final ainda foi mais frustrante, ganhamos com a ajuda do “anjo japonês”, que assinalou um pênalti “mandrake” sobre o Fred.

No segundo jogo, sem a empolgação do primeiro jogo, decidi em cima da hora assistir com um amigo e a namorada dele em um bar. Naquele dia todos os bares estavam ou muito vazios, ou muito cheios. Acabamos escolhendo um bem vazio. E saímos do zero a zero com aquele clima de zero a zero. Tudo isso pra isso? Me perguntei. Tudo isso era pra isso. Mas eles jogaram com raça. Olha, legal.

No terceiro jogo, voltamos a nos reunir no apartamento de um amigo, mas a desanimação era tanta, que nem cerveja compramos, preferimos nos empanturrar com “gordices”, sorte dos que estavam de casais que pelo menos tinham uma distração. Para quem gosta de comemorar por qualquer coisa foi uma maravilha, afinal o 4 a 1, serviu pelo menos para animar o clima, que nem de longe parecia com o de Copa do Mundo. Ao fim do jogo voltei para casa com a impressão de que aquilo ali seria arrancada para o hexa, afinal os próximos jogos eram contra seleções medianas (Chile e Colômbia), e só na semi e final teríamos “problemas”.

No jogo do Chile, um sábado, tinha tudo para ser um carnaval, afinal jogo do Brasil em um sábado a tarde é uma perfeita desculpa para fazer da partida um belo esquenta para balada da noite. O apartamento desse meu amigo estava cheio mas, sobretudo, de gente que estava pouco preocupada com o jogo, afinal pensávamos que seria um chocolate. Todos nós só preocupados com a “festa”. Porém o jogo foi ficando complicado e quase vai tudo para o espaço aos 14 minutos do segundo tempo da prorrogação. Pra piorar um tio e um primo (obviamente influenciado pelo pai) desse meu amigo, estavam terrorizando. “Eu quero que o Brasil seja eliminado.” Aquela torcida me deu um ódio irracional.

Eles odiavam especialmente a presidente Dilma, que nem no campo estava e dizia repetidamente: “esse país é uma fraude”. Mas não poupavam também o Felipão, Daniel Alves e claro, o Fred. Até cheguei a me questionar se eles não estavam certos. Tem algo de muito errado com uma pessoa que xinga o próprio país e chega a torcer contra em um jogo de Copa do Mundo. Porém aquilo nada influenciou no meu comportamento, durante a partida, passei a vibrar feito maluco.

Torci como um demente. Se o Brasil perdesse, além de acabar com os feriados e festas, imaginei que seria uma vergonha pra mim. Mas o Brasil ganhou ou melhor, o Chile perdeu, após aquela bola na trave. E foi uma vergonha ainda maior. Virei para o senhor e o filho dele, audaciosamente gritei: “Isso aqui é Brasil, porra!”.

No último jogo, já era um demente profissional — com mandingas, simpatias e berros de perder a voz. E olha que 20 minutos antes do jogo, eu estava em uma entrevista seriamente com um candidato ao Senado, mas terminei ainda a tempo para assistir o pontapé inicial. A contusão de Neymar teve dimensões trágicas. Como continuar o espetáculo sem protagonista? Se dermos a volta por cima — vamos dar — vou berrar por 12 horas. Se não dermos, vou berrar por 128 horas. Se encontrarem um imbecil abraçado numa bandeira berrando coisas desconexas, esse cara sou eu. E não serei o único, tenho certeza, até aqueles que não demonstraram nenhuma empolgação, gritam, faltam arrancar os cabelos. Antecipadamente pedimos desculpas por essa insanidade.

3 comentários em “Estou demente pela Copa e você também”

  1. Anonymous

    8 anos atrás  

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

  2. Anonymous

    8 anos atrás  

    E agora blogueiro, o que me diz sobre sua seleção brasileira?
    kkkkkkkkk…..
    Você e a maioria da população, são acéfalos e sem noção!

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>