Diego Emir | Poder, Política e Sociedade

Hospital Estadual Nina Rodrigues terá Residência Médica a partir de 2014

10 de dezembro de 2013 : 18:18

O Hospital Estadual Nina Rodrigues receberá, em março de 2014, a primeira turma de médicos residentes em psiquiatria. Serão ofertadas cinco vagas por ano para aquela unidade estadual de saúde, que teve o programa de Residência aprovado pelo Ministério da Educação, este mês.

De acordo com o programa – elaborado pela diretora clínica do Nina Rodrigues, Maria José Medeiros, e pelos médicos psiquiatras Hamilton Raposo e Gilberto Silva – os residentes, que serão selecionados em processo seletivo a ser divulgado, terão como campo de atuação as áreas de urgência, emergência e ambulatório, além dos 103 leitos destinados a usuários de drogas e portadores de transtornos mentais do hospital; os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD) e Bacelar Portela (CAPS III); e os hospitais Geral Tarquínio Lopes Filho; Carlos Macieira e Macrorregional de Coroatá.

“Estes espaços serão campos de estágio para os residentes em psiquiatria, que atuarão nestes serviços sob a supervisão de 12 preceptores, ou seja, de médicos habilitados para acompanhá-los”, destaca Ruy Cruz, diretor do Nina Rodrigues.

Os alunos residentes terão aulas teóricas e práticas e a residência terá a duração de três anos em um total de 2.880 horas/aulas anuais. “Deste total, 20% são aulas teóricas e 80%, aulas práticas”, adianta Maria José Medeiros, diretora clínica do hospital.

O programa de residência médica do Nina Rodrigues foi avaliado por membros da Comissão Nacional de Residência do Ministério da Educação que visitaram o hospital em novembro a fim de verificar de perto aspectos como estrutura, atendimento ofertado, convênios de estágio e a disponibilidade da Secretaria de Estado da Saúde em possibilitar a realização da residência médica. “Eles também averiguaram o arcabouço científico do hospital, bem como o corpo de profissionais que atuam aqui”, diz Ruy Cruz.

Carência

A diretora clínica Maria José Medeiros destaca que a residência médica suprirá uma carência de profissionais psiquiatras no estado. “Temos atualmente 30 psiquiatras registrados nas Associações Brasileira e Maranhense de Psiquiatria para cobrir os 217 municípios, ou seja, a oferta está a quem do que a nossa rede precisa”, diz ela.

Além dos 12 médicos psiquiatras que acompanharão os residentes, o Hospital Nina Rodrigues disponibilizará a infraestrutura necessária para o aprendizado, a exemplo de biblioteca, auditório e alojamento.

Os cinco residentes terão ainda direito a uma bolsa. “Esta bolsa é de responsabilidade do Estado, mas nós, do hospital, estamos concorrendo no edital Pró-residência, do Governo Federal, com a finalidade de ajudar no custeio destas bolsas”, frisa Ruy Cruz.

Para o diretor, a residência médica vai propiciar mudanças no modelo assistencial até agora ofertado pelo Nina Rodrigues. “O hospital está se adequando ao que preconiza o Sistema Único de Saúde (SUS), possibilitando a desinstitucionalização de pacientes de longa permanência, atendimento ao usuário de drogas que, de maneira voluntária, deseje passar pelo período de desintoxicação, além da organização do serviço ambulatorial”, observa Ruy Cruz.

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>